Ir direto ao conteúdo

‘Nada a Perder’ e os ‘recordes’ de bilheteria do cinema evangélico

Cinebiografia do bispo Edir Macedo já é campeã de bilheteria deste ano, mas reportagens contestam números e afirmam que salas estão esvaziadas

    O filme “Nada a Perder” entrou em cartaz em 1.108 salas de cinema brasileiras em 29 de março de 2018. O longa-metragem narra a vida do bispo evangélico Edir Macedo e é o primeiro de uma trilogia inspirada em três livros best sellers de mesmo nome.

    Trata-se do terceiro maior lançamento já feito por um filme nacional: sua distribuição ocupa um terço das salas de cinema do país.

    Junto com sua sequência, prevista para 2019, “Nada a Perder” teve orçamento de R$ 40 milhões e 4 milhões de ingressos vendidos na pré-venda. Foi feito com investidores privados e não usou leis de incentivo.

    Foi dirigido por Alexandre Avancini, mesmo de “Os Dez Mandamentos” (2016), adaptação de novela da Record, emissora que pertence a Edir Macedo. O roteiro é do americano Stephen P. Lindsey, de “Sempre ao seu Lado”, drama estrelado por Richard Gere.

    Quatro décadas da vida do líder da Igreja Universal são condensadas em “Nada a Perder”: desde a infância, retratada em tom romântico, até a fundação da igreja, quando se aproxima de um thriller, segundo o jornal O Globo. A prisão em 1992, sob acusação de charlatanismo, estelionato e curandeirismo, também aparece no filme.

    O filme estará disponível na Netflix três meses após entrar em cartaz e tem distribuição internacional garantida para a América Latina, África do Sul, Angola e Moçambique, países onde a Universal tem presença. No Brasil, também haverá sessões itinerantes em presídios, hospitais e escolas.

    As acusa��ões de bilheteria inflada

    Apesar do sucesso comercial, jornais têm apontado discrepância entre número de ingressos vendidos e ocupação real das salas.

    Durante o primeiro fim de semana em que a cinebiografia entrou em cartaz, no início de abril, o jornal Folha de S. Paulo visitou nove sessões e reportou não haver salas lotadas, apesar da venda massiva de ingressos. 

    A reportagem d’O Globo também foi a três sessões do filme no Rio de Janeiro, na data de estreia, e afirma que cerca de 40 pessoas compareceram a cada uma, em salas de mais de 200 lugares.

    Ainda segundo o jornal, espectadores presentes relataram que os ingressos estão sendo distribuídos por pastores aos fiéis da Igreja Universal.

    Em uma outra reportagem, publicada no dia 28 de março, o Globo questionou três grandes exibidoras sobre haver algum tipo de parceria com a Universal. Apenas a Kinoplex confirmou ter vendido pacotes de ingressos para pastores e grupos a partir de cem pessoas, nos quais todos pagam meia-entrada. A UCI disse vender ingressos em grupo, “como faz com qualquer filme”, e a Cinemark não se pronunciou.

    A compra de ingressos para grupos e fechar salas para exibições é uma prática comum. O que é questionado pelas investigações é o esvaziamento das salas. 

    Questionada pelo Nexo sobre a quantidade de ingressos vendidos para sessões de “Nada a Perder” versus a ocupação das salas, a Ancine, Agência Nacional do Cinema, disse não ser competência do órgão federal fiscalizar se as salas de cinema estão com sua ocupação real.

    O acompanhamento feito pela agência, para elaboração de análise do mercado e cumprimento da cota de tela, se restringe à quantidade de ingressos vendidos e filmes exibidos, informações que são fornecidas pelos próprios exibidores.

    Publicada no dia 9 de abril, uma nova reportagem do jornal carioca chamou atenção para a nota de “Nada a Perder” no IMDb, que concentra quase todas as avaliações na nota máxima, enquanto classificações de outros filmes bem cotados oscilam entre as notas 7, 8, 9 e 10.

    O Nexo verificou, no dia 10 de abril, que 84,5% (cerca de 16 mil votos) dos usuários que avaliaram o filme haviam dado nota dez, concentração que destoa dos gráficos de avaliação de outros filmes na plataforma: normalmente, a distribuição de votos é mais pulverizada entre as notas.

    ‘Os Dez Mandamentos’

    Em 2016, quando a adaptação da novela da Record para o cinema foi lançada, reportagens também apontaram para um êxito artificial de público. “Os Dez Mandamentos” se tornou o filme nacional com maior número de ingressos vendidos desde a criação da Embrafilme, em 1970, quando a contagem teve início.

    Na época, a Universal negou ter comprado diretamente pacotes de ingressos.

    A resposta da Universal

    Em nota divulgada em 23 de março de 2018, a Universal negou novamente a compra de entradas de cinema, desta vez para “Nada a Perder”.

    Acusou a imprensa de “despejar fake news (notícias falsas) para tentar diminuir a importância da espetacular bilheteria”, de ser rancorosa e preconceituosa.

    A igreja declarou estimular seus adeptos a assistirem ao filme, por considerar a história de Edir Macedo edificante, e disse existir uma mobilização espontânea de grupos e de membros da Universal, “que se organizaram para que o maior número de pessoas tenha chance de assistir ao filme”.

    Afirmou, ainda, que espíritas impulsionaram a audiência dos filmes “Chico Xavier” e “Nosso Lar” e católicos lotaram sessões de “Aparecida – O Milagre” por meio do mesmo tipo de mobilização mas, que, ao contrário dos filmes evangélicos, o fato não virou notícia.

    Para efeito de comparação, “Nosso Lar” foi lançado em 2010 em cerca de 400 salas brasileiras, um lançamento quase três vezes menor em relação a “Nada a Perder”.

    O fenômeno

    Além de “Os Dez Mandamentos” e “Nada a Perder”, outras produções recentes miram no público evangélico e cristão.

    Com lançamento previsto para outubro de 2018, o filme “A Palavra” transforma o profeta bíblico Elias em pregador no sertão, e seu sucessor Eliseu, um engenheiro que trabalha na transposição do rio São Francisco.

    A produtora Anjoluz, da advogada pernambucana Zitah Oliveira, que é evangélica, foi criada em função do filme. A catarinense Red Films também produz filmes focados na temática cristã.

    Desde 2013, é realizado no Rio de Janeiro o Festival Nacional de Cinema Cristão.

    Internacionalmente, também há distribuidoras e produtoras especializadas nesse nicho.

     

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

    Já é assinante?

    Entre aqui

    Continue sua leitura

    Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: