MBL: do discurso anticorrupção à proximidade com as fake news

Movimento político possui relação com site que propagou boatos sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco

     

    Informações falsas sobre vereadora do PSOL Marielle Franco tomaram a internet após ela ser assassinada no centro do Rio, no dia 14 de março, às vésperas de a intervenção federal na segurança pública do estado completar um mês. As mensagens tentavam desqualificar o trabalho da ativista de direitos humanos, negra e feminista, que dias antes de ser executada havia denunciado ações violentas da polícia numa comunidade da capital fluminense. 

    Primeiro, as informações falsas circularam em correntes de WhatsApp. Logo estavam sendo reproduzidas em redes sociais. Uma desembargadora do Rio escreveu e publicou que Marielle estava envolvida com traficantes de drogas.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.