Ir direto ao conteúdo

As evidências de que Thomas Edison usava a palavra ‘bug’ no século 19

Termo bastante utilizado na computação servia para que o inventor inglês explicasse problemas de seus projetos

    “Bug”, ou falha lógica, é uma expressão usada em computação quando há um erro inexplicável de processamento, que faz com que a máquina não consiga realizar uma demanda do usuário.

    Nas primeiras vezes em que apareceu relacionada a computadores, a palavra fazia referência a insetos de verdade, exatamente como supõe sua tradução literal do inglês. Sabe-se que durante a década de 1940, época do início da computação, bichos desse tipo eram comumente encontrados no interior das máquinas, atrapalhando seu funcionamento e chamando a atenção de quem operava.

    O episódio mais emblemático aconteceu em 1947: uma equipe de engenheiros que trabalhava no Mark II, computador criado na universidade de Harvard, flagrou uma mariposa presa no equipamento. Grace Hopper, uma das envolvidas no projeto, teve a ideia de fixar o inseto em seu diário, escrevendo na legenda “o primeiro caso real de inseto encontrado”.

    Acredita-se que o registro tenha contribuído para popularizar “bug” como sinônimo de falhas em máquinas. Termos derivados como “debug”, processo de encontrar e minimizar defeitos, também passaram a fazer parte desse vocabulário técnico.

    Há evidências, porém, de que a palavra tenha sido importada de outro ramo da tecnologia, o das telecomunicações, há mais de 140 anos. O responsável pela analogia seria Thomas Edison (1847-1931), empresário inglês que assina também a criação da lâmpada incandescente, de um protótipo de câmera cinematográfica e do fonógrafo. Esse último, sua invenção mais famosa, foi lançada em 1877 como a primeira máquina capaz de gravar e reproduzir sons. Por conta do fonógrafo, a comunicação em longas distâncias pôde começar a ser desenvolvida em larga escala.

    De acordo com o Centro de História do IEEE (Instituto de Engenheiros Eletricistas e Eletrônicos), Edison se deparou com o primeiro “bug”, no começo da década de 1870, enquanto trabalhava em seu fonógrafo quadrúplex. A ideia era revolucionária por permitir a recepção de dois sinais separados, bem como sua transmissão, através de um mesmo fio.

    Para que tudo funcionasse da maneira correta, o inventor declarou que precisaria criar uma “bug trap” (armadilha de insetos, em tradução livre) na rede de transmissão de seu fonógrafo. A expressão aparece em entrevistas que Edison concedeu à imprensa da época e em dicionários técnicos, além de constar em livros de referência sobre telecomunicações.

    Comparações entre falhas inesperadas e insetos estão também em diversas anotações pessoais do inventor. Uma delas foi ser leiloada na última quinta-feira (22), em uma galeria de arte de Washington, nos Estados Unidos.
     

    A carta foi escrita em março de 1878 e é endereçada a William Orton, então presidente da empresa de comunicação Western Union. No trecho, Thomas Edison comenta sobre seus esforços em melhorar o funcionamento do telefone desenvolvido pela companhia. A ideia é que, sem o delay, o produto conseguisse competir com o maior rival da época, a empresa de Alexander Graham Bell, inventor do telefone.

    “Você está parcialmente correto, eu encontrei um ‘bug’ no meu equipamento, mas não exatamente no telefone. [...] O inseto parece se dar bem em todos os aparelhos de telefonia”, diz o inventor.

    Marco Tomaschett, especialista da Swann Gallery, explica que Edison se refere aos fios que compunham a rede telefônica, fazendo a ponte entre quem recebe e quem transmite as informações.

    “Ele não escrevia isso sempre, mas estava tentando passar uma boa impressão - estava prestes a renegociar um contrato”, disse Tomaschett, em entrevista ao site Atlas Obscura. “Mas ele era famoso, então não era também como se estivesse se humilhando. Ele tinha uma influência considerável.”

    De acordo com estimativas da Swann Gallery, quem quisesse adquirir o registro precisaria desembolsar algo entre US$ 10 mil e US$ 20 mil. O lance vencedor, que arrematou a peça, foi de US$ 12,5 mil.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

    Mais recentes

    Você ainda tem 2 conteúdos grátis neste mês.

    Informação com clareza, equilíbrio e qualidade.
    Apoie o jornalismo independente. Junte-se ao Nexo!