O uso ilegal de dados do Facebook pela Cambridge Analytica. E o que há de novo

Caso ainda sob investigação nos EUA e no Reino Unido recai sobre coleta e uso indevido de dados de 50 milhões de americanos e envolve russos, Donald Trump e Brexit

Neste sábado (17), um esquema de coleta, venda e uso indevido de dados de milhões de americanos foi revelado por jornalistas do jornais The New York Times e Observer of London, ligado ao The Guardian. As reportagens relatam como a Cambridge Analytica – empresa fundada em 2013, conhecida por seus trabalhos para as campanhas pró-Brexit no Reino Unido e Donald Trump nos EUA – montou “psicográficos”, espécie de perfis baseados em traços da personalidade, de cerca de 50 milhões de americanos com o objetivo de formar opiniões e direcionar votos ao candidato republicano.

Investigações anteriores já haviam colocado luz sobre as atividades da empresa. Há pouco mais de um ano, em fevereiro de 2017, o Guardian, por exemplo, mostrava o interesse do bilionário americano Robert Spencer na empresa de inteligência britânica e de que maneira ela poderia direcionar a população britânica a adotar uma visão a favor da saída do país da União Europeia.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.