Como nasce um livro de ciência para crianças? A experiência de dois autores

Escritores conversam com o 'Nexo' sobre o processo de criação de obras que abordam temas científicos para o público infantil

    A literatura infantil brasileira é repleta de obras de ficção que, mesmo sem terem expressamente esse objetivo, podem explicar conceitos de ciência às crianças. Clássicos de Monteiro Lobato, por exemplo, como “O poço do Visconde”, “História das invenções” ou “Serões de Dona Benta”, contêm informações precisas sobre geologia, evolução humana, física e química - contadas, claro, com uma boa dose de fantasia.

    Outro caso é a popular “Série Vaga-Lume”. Lançada pela Editora Ática, a coleção foi responsável por despertar o gosto pela leitura em crianças nas décadas de 1970 e 1980, e consta até hoje em diversas bibliotecas escolares. No título “O Caso da Borboleta Atíria”, uma história policial entre insetos serve de pano de fundo para que a autora Lúcia Machado de Almeida explique tópicos como o mimetismo. O conceito, estudado em biologia, analisa o mecanismo de “disfarce” que certas espécies animais utilizam para se esconder de predadores.
    Foto: Divulgação
    Obra foi lançada em fevereiro de 2018

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.