Ir direto ao conteúdo

A iniciativa que quer enfrentar a sub-representação feminina na Wikipedia

Desde 2014, a organização Art+Feminism ajuda a promover maratonas voluntárias de edição de artigos sobre mulheres artistas

     

    O acervo da Wikipedia já ultrapassa os 40 milhões de artigos, escritos em mais de 250 línguas diferentes. Só em português, existem 992.413, dos quais 207.551 são biografias. Mas as mulheres biografadas estão sub-representadas na plataforma: compõem somente 17% do quadro de perfis.

    Em março, sete eventos serão realizados no Brasil para aumentar o número de artistas mulheres contempladas na enciclopédia colaborativa. São as chamadas “editatonas” (“edit-a-thon”, em inglês), maratonas de edição de verbetes de forma voluntária, que devem ocorrer em São Paulo, Rio Branco, Porto Alegre, Rio de Janeiro e Brasília.

    A iniciativa, promovida pela organização Wiki Educação Brasil, está vinculada ao  projeto norte-americano Art+Feminism, que organiza, desde 2014, maratonas focadas no aumento da visibilidade de mulheres artistas.

    Mais de 500 eventos foram promovidos pela entidade ao redor do mundo, em lugares como o MoMA, em Nova York, e a Tate Modern, em Londres. Nos primeiros cinco anos de organização, mais de 11 mil artigos sobre mulheres artistas foram criados ou reelaborados.

    A Art+Feminism disponibiliza on-line kits para que as pessoas possam organizar eventos,  tutoriais em vídeo de como editar na Wikipedia – para estimular iniciativas em grupo ou individuais – e divulga a agenda de editatonas de arte pelo mundo.

    Biografias de mulheres são minoria em todas as línguas contempladas pela Wikipedia. Em algumas delas, sequer existem biografias de mulheres. Diversas iniciativas pelo mundo atuam na direção de aumentar sua visibilidade, não necessariamente focadas em artes visuais.

    Dentro da própria comunidade de editores da Wikipedia essa é uma demanda importante. Editores da enciclopédia on-line em inglês criaram, em 2015, o Wikiproject Women in Red, que já ajudou a aumentar de 15 para 17% a presença de biografias femininas no site. Seu nome vem da intenção de transformar verbetes em vermelho (nomes já anunciados no site, mas ainda sem conteúdo) em links azuis (páginas que já estão completas). Entre novos artigos e reelaborações, o projeto já mudou a cor de 5.528 verbetes em diversas línguas só em 2018 (e contando).

    A dupla falta de representatividade

    As editatonas vinculadas ao Art+Feminism são abertas a todas as pessoas, mas encorajam sobretudo a participação de mulheres. A intenção é combater outra faceta da sub-representação feminina, que acontece nos bastidores da plataforma.

    Embora a Wikipedia seja aberta para todos, um estudo realizado em 2011 pela Fundação Wikimedia mostrou que menos de 10% de seus editores são mulheres, o que ajuda a explicar a pouca representatividade feminina nos verbetes.

    Na comunidade lusófona, existem 76 administradores (que são escolhidos conforme sua credibilidade e assiduidade nas edições dos artigos), dos quais apenas uma se identifica como mulher, segundo um levantamento da Wiki Educação Brasil em parceria com o InternetLab.

    “É sempre importante reforçar a necessidade de eventos para melhorar os conteúdos de mulheres e, principalmente, tentar engajar outras. Quanto mais mulheres tivermos dentro da comunidade de editores, mais a gente vai conseguir tornar a Wikipedia um espaço igualitário e que reflita um pouco melhor a diversidade na produção do conhecimento”, disse ao Nexo a editora Juliana Monteiro, que é membro da Wiki Educação Brasil e ajuda a ministrar editatonas brasileiras.

    “O que eu sinto do ambiente [de edição] é que nem sempre é confortável. Justamente as ‘guerras de edição’, como a gente chama quando as pessoas começam a disputar pontos de vista, podem ser momentos em que o tom que é usado pode soar um pouco machista. Acho que outras editoras que passaram por uma situação assim talvez tenham essa sensação de ‘alguma coisa está errada, mas eu não consigo identificar direito que é’”, comenta.

    Como são as ‘editatonas’ brasileiras sobre mulheres artistas

    As maratonas são organizadas de modo que qualquer voluntário possa ajudar. Geralmente, os únicos pré-requisitos estão relacionados a levar o próprio computador e criar uma conta na Wikipedia.

    Os encontros começam com a explicação de regras básicas, como inserir referências, hiperlinks e outros códigos essenciais, usar a página de testes disponível na plataforma e a melhor maneira de criar artigos ou melhorar textos já existentes.

    Na primeira edição em São Paulo, sediada no InternetLab, o foco será em produzir ou incrementar biografias de artistas mulheres sobretudo de origem africana ou indígena, que sofrem ainda mais com o apagamento no mundo das artes (e da internet).

    A lista de nomes sugeridos tem artistas visuais, cantoras e escritoras. Entre elas, a escritora Conceição Evaristo e a cantora MC Carol, que já têm seus verbetes, e as artistas visuais Carmézia Emiliano e Priscila Rezende, que ainda não foram contempladas no site.

     

       
     

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

    Já é assinante?

    Entre aqui

    Continue sua leitura

    Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: