O que pesa contra a Hydro Alunorte, acusada de crime ambiental no Pará

Contaminação com resíduos de bauxita afeta comunidades locais; empresa do governo norueguês pode ter atividades suspensas

Foto: Reprodução/Semas
Imagens de helicóptero mostram vazamento em bacia da Hydro Alunorte, no Pará
Imagens de helicóptero mostram vazamento em bacia da Hydro Alunorte, no Pará

A Hydro Alunorte, empresa de capital do governo norueguês e dona da maior refinaria de óxido de alumínio do mundo, localizada no Pará, a 50 km da capital Belém, está sendo investigada por um crime ambiental que compromete o meio ambiente e a saúde de comunidades locais.

A empresa, que usa bauxita para produção de alumina (ou óxido de alumínio), é acusada de ter contaminado áreas verdes e rios do entorno com rejeitos formados de bauxita e outros elementos tóxicos como chumbo ter transbordado após fortes chuvas ocorridas na região entre os dias 16 e 17 de fevereiro de 2018. Além disso, a empresa é questionada sobre a descoberta de um duto clandestino que despejava rejeitos no meio ambiente sem o devido tratamento.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.