Qual o papel da Previdência na eleição. E no mandato do próximo presidente

Intervenção federal que impede votação de PECs deve durar até dezembro, o que empurra análise da reforma pelo Congresso para 2019

 

Depois de negociar por mais de um ano com o Congresso e fazer várias concessões, o governo do presidente Michel Temer abriu mão do projeto que era sua prioridade: a reforma da Previdência. A suspensão da Proposta de Emenda à Constituição que altera as regras para o acesso a aposentadorias e pensões praticamente enterra as chances de Temer de aprovar a reforma em seu mandato.

Além da dificuldade em conseguir 308 deputados (entre os 513) dispostos a apoiarem uma medida impopular em ano eleitoral, há agora um impedimento legal. Emendas Constitucionais não podem ser votadas e aprovadas durante a vigência de intervenções em estados, como a que o governo federal decretou em 16 de fevereiro no Rio de Janeiro.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.