Voto impresso: quais os argumentos de defensores e críticos

Proteção contra fraudes ou risco de violação do sigilo do voto? Grupos se dividem sobre prós e contras do novo modelo

 

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, acionou o Supremo Tribunal Federal na segunda-feira (5) para suspender a implantação do sistema de voto impresso no Brasil. De acordo com Dodge, a impressão do voto teclado na urna eletrônica coloca em risco o sigilo da votação e traz de volta o risco de que os eleitores sejam coagidos por terceiros a apoiarem candidatos que não querem.

O Brasil abandonou o voto em papel em 2000, com o uso das urnas eletrônicas de forma integral em todo território nacional – o sistema começou a ser implementado em 1996. Mas o voto impresso foi reintroduzido a partir da aprovação de uma emenda legislativa em 2015, durante uma minirreforma política - a medida não foi adotada nas eleições municipais de 2016 por falta de tempo.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.