Como o reflorestamento pode se tornar um negócio lucrativo

Tornar a recuperação de áreas degradadas atraente para o mercado é vista como caminho possível para o Brasil cumprir Acordo de Paris, segundo ONG

 

Com o Acordo de Paris, é intensa a procura por soluções que reduzam as emissões de gases responsáveis pelo aquecimento global. Em 2016, 194 países concordaram em evitar que a temperatura média do planeta suba mais de 2ºC até o fim do século 21. O Brasil se comprometeu com diversos objetivos até 2030, entre eles aumentar a participação de energias renováveis na matriz energética e restaurar e reflorestar 12 milhões de hectares.

Entretanto, números do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) indicam que, entre agosto de 2016 e julho de 2017, 660 mil hectares foram degradados, só na Amazônia Legal. O índice de desmatamento é 16% menor que o registrado no período anterior, e 76% menor em relação a 2004, ano de lançamento do Plano para Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia (PPCDAm). Ainda assim, transformar o deficit florestal em superávit será um trabalho gigantesco.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.