‘#MeToo defende chance de escolha, e não puritanismo’, afirma esta pesquisadora

Antropóloga Heloísa Buarque de Almeida diz que movimento esbarra em exposição pública, mas ressalta dificuldade de levar casos à Justiça

 

Na semana passada, o movimento #MeToo, encabeçado por americanas que denunciam assédio sexual e abuso de poder, foi desafiado publicamente por um grupo de feministas francesas que classifica o movimento de “puritano” e vê, nele, riscos às conquistas da revolução sexual.

O #MeToo e o Time’s Up, movimento de contornos semelhantes, vêm repercutindo há meses e tiveram grande destaque na imprensa, no início da semana, quando mulheres compareceram à cerimônia do Globo de Ouro vestidas de preto. Discursos denunciando violência sexual e desigualdade entre homens e mulheres marcaram a noite de premiações.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.