Ir direto ao conteúdo

Por que uma lei suíça quer proibir chefs de cozinhar lagostas vivas no país

Medida passa a vigorar a partir de março e também vale para outros crustáceos como caranguejos; país segue a Itália que também proibiu armazenamento do animal vivo em gelo

     

    A Suíça passou na quarta-feira (10) lei que proíbe restaurantes de preparar lagostas e outros crustáceos usando como técnica o cozimento em água fervente enquanto os animais ainda estão vivos. De acordo com a nova regra do país europeu, crustáceos deverão ser atordoados antes de ir para a panela.

    A legislação ainda vai além e proíbe o transporte dos animais em gelo. “Espécies aquáticas devem sempre ser mantidas em seus ambientes naturais”, diz a lei que passa a valer a partir de março deste ano.

    Essa última medida acompanha determinação da justiça italiana, de julho de 2017, que decidiu a favor de um grupo de proteção aos animais local contra um restaurante de Florença que mantinha lagostas vivas no gelo até o momento de serem cozinhadas.

    “Enquanto o particular método de cozimento possa ser considerado legal por ser reconhecido como um costume, o sofrimento causado pelo armazenamento dos animais enquanto eles esperam para ser cozinhados não pode ser justificado da mesma forma”, apontou o juiz italiano. Como alternativa, aponta práticas já adotadas por restaurantes e supermercados de manter os animais em tanques de água oxigenados em temperatura ambiente.

    Quanto à Suíça, de acordo com informações da rede pública local RTS, a nova lei exige que o atordoamento do animal seja feito por meio de choques ou “destruição mecânica” do cérebro do crustáceo.

    Entre as razões apontadas para a prática de se cozinhar crustáceos vivos, há explicações que recaem sobre a textura e o sabor da carne do animal. Para o professor titular do departamento de zoologia da Unesp (Universidade Estadual Paulista), Adilson Fransozo, a explicação seria apenas um costume culinário motivado pela intenção de restaurantes em mostrar ao cliente que o produto preparado se trata de um animal fresco.

    “Cozinhar o animal vivo é pura crueldade. Não tem razão para isso. Tanto é que a lagosta que o Brasil exporta, vai a parte do abdômen no gelo. O resto é jogado fora porque é tudo víscera. A prática da água quente é puro costume e ignorância”, diz ao Nexo.

    Pacote animal

    A lei suíça sobre os crustáceos vem acompanhada de um “pacote” que envolve outras leis que fortalecem a proteção animal no país. Além dela, o governo proibiu também a venda e uso de coleiras que soltam choque em cachorros visando condicioná-los a não latir, ou ainda regulações contra fazendas de criação de filhotes de cães e endurecimento de regras contra quem faz uso de animais em eventos públicos, como circos.

    Contra sofrimento

    Medidas contra o sofrimento de crustáceos são uma demanda de grupos de defesa de animais, como a Peta (People for the Ethical Treatment of Animals). Entre os argumentos, está o de que existem regulamentações que protegem outros animais como pássaros, mamíferos e répteis, mas não para crustáceos como lagostas e caranguejos.

    “A pergunta que fica é: qual a diferença?”, disse o professor Robert Elwood, da Queens University, da Irlanda do Norte, à CNN. “Com todas as informações que temos, é muito certo que esses animais também sentem dor”. Elwood é um dos responsáveis por uma pesquisa, publicada em 2013 pelo periódico científico Journal of Experimental Biology que apontava para essa possibilidade.

    Em um experimento, pesquisadores constataram que caranguejos-verde optavam repetidamente por abandonar abrigos escuros – ambiente preferido pela espécie – para não sofrerem choques dados pela equipe de Elwood.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

    Já é assinante?

    Entre aqui

    Continue sua leitura

    Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: