Como uma disputa entre religiões explica a caça às bruxas, segundo estes economistas

Economistas afirmam que julgamentos ocorreram com mais frequência onde havia ‘competição’ por fiéis entre os cristãos ligados à autoridade de Roma e protestantes

     

    Entre os anos 900 e 1400, autoridades cristãs ligadas à igreja de Roma (o termo ‘católico’ começa a se fortalecer nesta época) não admitiam a existência de bruxas, apesar de a crença ser difundida entre a população europeia.

    A partir de 1550, porém, as criaturas passam não só a serem tidas como reais, como tem início uma violenta caça às bruxas. Até 1700, mais de 80 mil pessoas foram julgadas por bruxaria na Europa, e metade foi executada. Depois disso, os julgamentos pararam. O que justifica essa mudança de atitude?

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.