Como a Amazônia emite mais gás metano do que se pensava

Em trabalho publicado em dezembro de 2017, pesquisadores brasileiros e britânicos estimaram a produção anual de metano da floresta

     

    Apesar de não serem tão abundantes na atmosfera quanto moléculas de gás carbônico (CO2), moléculas de gás metano (CH4) são capazes de reter 21 vezes mais calor, e também estão entre as principais causas do efeito estufa. Segundo um estudo feito por pesquisadores ligados ao Projeto Europeu para Análise de Gelo Profundo na Antártica, publicado em 2008, a concentração de metano na atmosfera é cerca de 2,5 vezes maior do que os picos observados em um período de 800 mil anos.

    A atividade humana é apontada como a grande responsável por essa mudança: quando combustíveis fósseis como petróleo e carvão mineral são extraídos do fundo da terra, gás natural contendo moléculas de metano é liberado. A queima desses combustíveis também libera o mesmo gás, que também é um subproduto da decomposição do lixo e do esgoto humanos, e do processo de digestão das milhões de vacas e bois utilizados para alimentar a humanidade - havia em 2016 um rebanho de cerca de 198 milhões destes animais, apenas no Brasil.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.