Ir direto ao conteúdo

A fan fiction de Harry Potter criada por uma inteligência artificial

Criado em 2016, o Botnik Studios promove a colaboração com máquinas para criar ‘coisas estranhas e novas’

Foto: Reprodução
Capa de 'Harry Potter and what looked like a large pile of ash'
Capa de 'Harry Potter and what looked like a large pile of ash'
 

Desde o século 20, máquinas têm sido utilizadas por artistas e pesquisadores para criar obras de arte originais. Sejam equipamentos programáveis, capazes de despejar jatos de tinta sobre telas, ou computadores que criam batidas e sons, as máquinas trilham caminhos aleatórios, que artistas de carne e osso dificilmente trilhariam.

Grande parte dessas criações ocorrem fora do padrão de obras humanas e se parecem excessivamente aleatórias, ou carregadas. Há, no entanto, formas de alimentar inteligências artificiais com exemplos e trechos de escrita, música ou pintura criados por pessoas e, em seguida, fazer com que essas máquinas criem novas obras que replicam os padrões encontrados.

Criado em 2016, o Botnik Studios se descreve como uma comunidade de artistas e desenvolvedores dedicada a colaborar com máquinas para criar “coisas estranhas e novas”. Ela tem entre seus comandantes o cartunista Bob Mankoff, ex-editor da revista americana The New Yorker, e o desenvolvedor e escritor Jamie Brew, que já escreveu para os sites de humor ClickHole e The Onion. As obras são, via de regra, peças de humor a partir do resultado nonsense gerado por computador.

Em um exemplo recente, a inteligência artificial desenvolvida pela Botnik absorveu o conteúdo de todos os sete livros da série Harry Potter e o usou como base para criar um capítulo inteiramente novo, “O bonito”. Ele é, por sua vez, um trecho de um fascículo fictício, “Harry Potter e o retrato do que parecia uma grande pilha de cinzas”.

O texto da máquina é apresentado como uma sátira ao estilo da obra escrita por J. K. Rowling, cujo volume de estreia completou 20 anos, em junho de 2017. Logo no primeiro parágrafo, lê-se “o céu lá fora era um grande teto escuro, que estava cheio de sangue. Os únicos sons que emanavam da cabana de Hagrid eram os grunhidos desdenhosos de seus próprios móveis”. E ainda: “Magia: era algo que Harry Potter considerava muito bom”.

Foto: Reprodução
Início de 'Harry Potter and what looked like a large pile of ash'
Início de 'Harry Potter and what looked like a large pile of ash'
 

As três páginas e meia descrevem Harry encontrando seu amigo Rony “fazendo uma espécie de sapateado frenético”. Em seguida, Rony começa a mastigar a família da bruxa Hermione. Os três bruxos se encontram então com o grupo de vilões conhecido como “comensais da morte” - um dos quais vestindo uma camiseta com os dizeres “Hermione esqueceu como se dança”. Harry parece se sentir ressentido com Rony, que “sempre foi o mais bonito”.

Para criar essa obra, a comunidade da Botnik usou um programa de predição de texto, o mesmo usado em editores de texto do celular, que completam as palavras do usuário com base naquilo que ele escreveu antes. As frases sugeridas automaticamente foram editadas por membros da Botnik para chegar à obra final.

Essa e outras obras de humor nonsense criados com ajuda de máquinas estão disponíveis no site do Botnik Studios. Há sátiras de propagandas e uma animação chamada “Dear Abby”, que consiste em uma série de perguntas e respostas sem sentido sobre família e emoções. Ela se baseia na coluna de jornal homônima, distribuída desde 1956 por vários jornais dos Estados Unidos.

Qualquer um pode brincar com o programa criado pela Botnik para gerar letras de música a partir da discografia de artistas como Radiohead, Bob Marley ou Beatles, assim como outros tipos de conteúdo. A comunidade Botnik também convida interessados a colaborar com ideias e conversas sobre “máquinas criativas” pelo Facebook.

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa Equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project. Saiba mais.

Mais recentes

Você ainda tem 2 conteúdos grátis neste mês.

Informação com clareza, equilíbrio e qualidade.
Apoie o jornalismo independente. Junte-se ao Nexo!