Qual o perfil das mulheres processadas por terem feito aborto

Defensoria do Rio levantou dados de dezenas de mulheres que interromperam a gravidez no estado

 

A Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro divulgou, no dia 30 de novembro, um levantamento feito a partir dos processos de aborto em trâmite no estado, com o objetivo de traçar o perfil das mulheres que são criminalizadas por abortarem. No Brasil, o aborto é considerado crime contra a vida.

De todos os processos relacionados a aborto que, entre 2005 e 2017, estiveram ou estão em tramitação no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (pouco mais de cem), a pesquisa chegou a um conjunto 42 mulheres, quantidade de rés que respondem atualmente no estado por terem abortado, sozinhas ou com ajuda de terceiros. Por ano, estima-se que cerca de meio milhão de brasileiras realizem abortos clandestinos, segundo uma pesquisa do Anis, Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.