Por que homicídios ficam sem solução no Brasil. E a proposta para resolver o problema

Apenas seis estados enviaram dados sobre quantos homicídios esclarecem ao Instituto Sou da Paz; falta de investigação perpetua impunidade

     

    O Instituto Sou da Paz publicou um estudo sobre a impunidade no Brasil. O instituto pediu informações sobre homicídios esclarecidos pela polícia a todos os estados, mas apenas seis responderam. E, nesses estados, o índice de esclarecimento não é alto. Em São Paulo, o suspeito foi denunciado pelo Ministério Público (o que leva o caso ao Judiciário) em 38,6% dos casos de homicídios; no Rio, em 11,8%. Do grupo de seis estados que contabilizam o esclarecimento, aquele com menos casos resolvidos é o Pará, com 4,3%. Os dados se referem a denúncias apresentadas entre janeiro de 2015 e junho de 2017. As denúncias feitas pelo Ministério Público à Justiça são usadas como referência para dizer se o caso foi esclarecido ou não, porque elas só podem ser feitas quando um suspeito é identificado e há provas suficientes para levá-lo a julgamento.

    Esclarecer homicídios é importante, de acordo com especialistas, para evitar a sensação de impunidade. Identificar culpados ajuda a reduzir índices de violência - em 2016, o Brasil bateu recorde de mortes violentas, com 61.619 casos, segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Segundo o relatório “Onde mora a impunidade” do Sou da Paz, os estados brasileiros que apresentaram queda mais significativa na taxa de homicídios investiram mais em unidades policiais responsáveis por investigação. Mas, no Brasil, não existe um índice nacional de esclarecimento de homicídios — e é isso que o instituto está propondo para mudar a situação. 

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.