Ir direto ao conteúdo

Esta série quer acabar com estereótipos sobre mulheres asiáticas

Chinesas costumam ser retratadas como inteligentes e boas em matemática; comédia tenta mostrar garotas comuns em Londres

    O seriado de comédia Chinese Burn, que estreia na semana que vem na rede britânica BBC, leva à tela a história de três jovens chinesas. A personalidade de cada uma delas passa longe do estereótipo com que mulheres asiáticas são retratadas - em geral, em papéis de submissão e docilidade.

    A série retrata a vida de Jackie, Elizabeth e Fufu em Londres, enquanto lidam com uma proprietária racista, com pessoas que as acham “fofinhas”, ou que tentam falar com elas em japonês. Ainda não há previsão de exibição no Brasil.

    “Não somos ‘o outro’”, disse Shin-Fei Chen, co-autora da série, ao jornal britânico The Guardian. “Temos objetivos e sonhos parecidos, além de fracassos”, explica. A outra co-autora, que interpreta Jackie, diz que “chinesas nunca são mostradas como ambiciosas, mas nós somos. Queremos trabalhar, queremos chegar longe em outros países”, afirmou ao mesmo jornal. Chinese burn, o nome da série, é uma expressão em inglês que faz referência a um tipo de golpe em que a pele do braço de alguém é torcida com o uso das duas mãos de outra pessoa - e que faz surgir uma vermelhidão semelhante a uma queimadura. 

    As atrizes contam como sofrem com preconceitos sobre o que é ser uma mulher chinesa em sua profissão. Os papéis que interpretam, segundo elas, exigem que usem o cheonsgam, roupa típica chinesa, apesar de elas próprias não conhecerem ninguém que tenha o traje. Além disso, os papéis oferecidos a elas são o de entregadoras de comida, namoradas submissas e imigrantes ilegais.

    Na China, a situação não é muito melhor. Apesar de não encontrarem estereótipos internacionais, as comediantes no país sofrem com a falta de liberdade. “Não conseguiríamos fazer um programa assim na China. Para uma chinesa, fazer uma piada com sexo significa que ela é uma pervertida”, diz Cheung ao The Guardian.

    O programa também faz piada com o crescimento econômico do país. Sommelière frustrada, a personagem Elizabeth trabalha usando uma fantasia de chá nas ruas de Londres. Quando tenta dar uma dica de vinho para um casal em um restaurante, é expulsa pelo garçom. Mas ela berra: “Você não sabe que os chineses são os melhores em tudo? Nós estamos dominando o planeta”.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

    Já é assinante?

    Entre aqui

    Continue sua leitura

    Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: