Quais as mudanças de Temer na reforma trabalhista. E por que são questionadas

Governo cumpre promessa que fez a senadores e faz acertos via medida provisória, mas ainda não tem certeza se consegue aprovar mudanças

     

    A reforma trabalhista entrou em vigor no dia 11 de novembro, mas as mudanças nas regras da relação entre patrão e empregado vão continuar em discussão no Congresso Nacional nos próximos meses. É que na quarta-feira (14), o presidente Michel Temer editou uma medida provisória alterando alguns pontos da lei que acaba de entrar em vigor. A decisão desagradou ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

    As mudanças fazem parte de um acordo que Temer fez com senadores para garantir a aprovação da reforma. O texto que muda de forma consistente a maneira como patrões e empregados se relacionam no Brasil foi aprovado em julho, mas só agora Temer cumpriu o prometido, enviando alterações pontuais. Ainda não se sabe, porém, como será a tramitação no Congresso, já que Maia pode atrapalhar o processo.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.