Como o Twitter reproduz desigualdades de gênero e raça do mundo offline

Pesquisa mostra que homens brancos são mais influentes em rede social

     

    As redes sociais são, muitas vezes, consideradas um espaço democrático que dá voz a diversos usuários. Uma pesquisa recém-divulgada mostra, porém, que elas reproduzem desigualdades de gênero e raça presentes no mundo offline.

    Pesquisadores da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) e da Universidade de Patras, na Grécia, demonstraram que, nos Estados Unidos, homens brancos são mais seguidos e mais influentes no Twitter do que mulheres, principalmente as negras e asiáticas. O artigo “White, Man, an Highly Followed: Gender and Race Inequalities in Twitter” (“Branco, homem e muito seguido: desigualdades de gênero e raça no Twitter”, em tradução livre), dos pesquisadores Johnnatan Messias, Fabricio Benevenuto (ambos da UFMG) e Pantelis Vikatos (da Universidade de Patras), foi apresentado na conferência Web Intelligence 2017, em agosto, na Alemanha.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.