O que muda com a entrada em vigor da reforma trabalhista

Mudanças na CLT entram em vigor neste sábado (11). Governo diz que nova legislação vai criar empregos, mas críticos apontam perda de direitos

Neste sábado (11), quatro meses depois de ser aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo presidente Michel Temer, entra em vigor a reforma trabalhista. O pacote de medidas era uma promessa do governo que ascendeu ao poder após o impeachment de Dilma Rousseff. Temer e seus aliados consideravam a legislação trabalhista brasileira antiga e burocrática. A medida é uma antiga reivindicação do empresariado.

Desde o princípio do debate, o governo insistiu na palavra “flexibilização” para falar das mudanças na CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), negando se tratar de perda de direitos dos trabalhadores. O pacote de medidas aprovado pelo Congresso é uma das maiores modificações nas regras do trabalho desde que elas foram implantadas por Getúlio Vargas, em 1945.

ASSINE O NEXO PARA
CONTINUAR LENDO

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.