Por que cientistas estão questionando os efeitos do ‘mindfulness’

Grupo de 15 especialistas de áreas da medicina assina artigo que aponta falta de evidências sobre os benefícios da prática de meditação

 

Pesquisadores de áreas como psicologia e neurociência, que estudam os efeitos das práticas de meditação “mindfulness” na saúde, têm pela frente “uma quantidade de trabalho considerável para fazer algum progresso significativo”. É o que conclui um artigo publicado na revista da APS (Associação de Ciências Psicológicas), na terça-feira (10). O documento é assinado por um grupo de 15 cientistas de diferentes especialidades de cursos de medicina de universidades como as de Massachusetts, Harvard, New York, Stanford e Princeton.

“Nossos objetivos são informar os cientistas interessados, os meios de comunicação e o público, minimizar danos, coibir práticas de pesquisa precárias e refrear o fluxo de informações errôneas sobre os benefícios, custos e perspectivas futuras da meditação ‘mindfulness’”, afirmam os pesquisadores envolvidos no artigo.

ASSINE O NEXO PARA
CONTINUAR LENDO

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.