Como funciona o fone de ouvido que traduz conversas em tempo real

Google lança dispositivo munido de microfone e com conexão ao assistente virtual da empresa, que traduz falas em outros idiomas

    O Google fez uma série de lançamentos de produtos nesta quarta-feira (4), nos Estados Unidos. Entre as novidades estão um novo smartphone (Google Pixel 2), um notebook (Google Pixelbook), uma câmera portátil (Google Clips), uma nova versão do seu óculos de realidade virtual (Daydream View) e fones de ouvidos inteligentes, chamados Pixel Buds.

    Os fones, especialmente, ganharam destaque. Tratam-se de fones wireless (que dispensam fio e usam conexão Bluetooth para se comunicarem com o celular), que além de servirem para suas funções mais básicas – ouvir música ou ser usado em uma chamada telefônica –, se conectam com o assistente virtual do Google (chamado Google Assistant), que pode ser acionado por meio de um botão no fone direito.

    Entre as vantagens de se ter um assistente virtual no ouvido – como ter a resposta em áudio a perguntas como “vai chover hoje?” –, a maior, destacada pela empresa, é de acesso ao aplicativo de tradução Google Translate (ou Google Tradutor, em português). Com o fone será possível ter a tradução em tempo real de uma conversa ao vivo com uma pessoa falante de outro idioma.

    Na apresentação do produto, o Google demonstrou o funcionamento do dispositivo em um diálogo entre falantes em inglês e sueco. O aplicativo, que demanda conexão com a internet, funciona com 40 idiomas, como chinês, inglês, espanhol, francês, alemão, japonês e português.

     

    Tradução simultânea

    Foto: Divulgação/Google
    Fone de ouvido Google Pixel Buds
     

    Dotado de microfone, o fone de ouvido assimila a frase dita por outro idioma e reproduz a tradução em áudio feita por meio do aplicativo Google Translate. O dono do fone de ouvido pode ainda responder ao interlocutor na sua própria língua, a frase vai ser recebida pelo fone de ouvido, mas a tradução será emitida em áudio abertamente pela saída de som do celular.

    Como mero fone de ouvido, o Pixel Buds funciona com aparelhos com Android, bem como iOS, da rival Apple. Para funcionar com o Google Assistant, a compatibilidade se restringe a aparelhos Android (6.0 ou superior). Já para cumprir a função de tradutor em tempo real, o fone de ouvido é ainda mais restrito e funciona apenas com celulares Pixel ou Pixel 2, do Google. 

    Nos Estados Unidos, o fone de ouvido, que conta com bateria recarregável de 5 horas de duração, é vendido por US$ 160 (equivalente a R$ 500, sem considerar impostos). Já os smartphones são vendidos por preços a partir de US$ 550 (R$ 1.720), no caso do primeiro Pixel, e US$ 650 (pouco mais de R$ 2.000) para o novo Pixel 2.

    O mercado de tradutores pessoais

    Com o Pixel Buds, o Google coloca no mercado um produto para competir com o similar Airpods, da Apple. A vantagem dos fones do Google, porém, é a conexão com o aplicativo de tradução, coisa que ainda não acontece no fone de ouvido da rival.

    Por outro lado, a função de tradução não é exclusiva do seu produto. Mais cedo este ano, em maio, a empresa alemã Bragi, fundada em 2013, lançou uma versão mais robusta dos seus fones de ouvido, chamados Dash Pro, estes dotados da função de tradução simultânea por meio do aplicativo iTranslate, presente no iPhone.

    Fora do universo dos fones de ouvido, ainda é possível estabelecer diálogos com tradução em tempo real usando tecnologia.

    Com um celular, conexão à internet e com o aplicativo de tradução do Google instalado no aparelho, basta determinar os idiomas (o falado e o para o qual se quer a tradução) e clicar no ícone do microfone.

    O mesmo pode ser feito em uma conversa em tempo real feita por meio do Skype, da Microsoft. A funcionalidade de tradução simultânea, no entanto, ainda está restrita a computadores. No seu lançamento, em 2014, o diretor-executivo da empresa, Satya Nadella, disse: “Esse tem sido o sonho da humanidade desde que começamos a falar”.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

    Já é assinante?

    Entre aqui

    Continue sua leitura

    Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: