Ir direto ao conteúdo

Como o acaso e o ‘nonsense’ podem ajudar o processo criativo de designers

Projeto de pesquisadora do MIT transforma processo criativo usado por consultoria de inovação e design em ‘jogo’ virtual

    Temas

    Há quem diga que a sociedade viva hoje uma “crise de ideias”. Assumindo que a afirmação esteja correta, a pesquisadora do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts) Philippa Mothersill desenvolveu uma solução on-line voltada para designers a fim de ajudá-los no processo criativo.

    Chamado de “design(human)design”, a ferramenta partiu da experiência adquirida pela pesquisadora observando o processo criativo da empresa americana de design e consultoria em inovação Ideo.

    “A idéia é que existem algumas ‘variáveis’ com as quais designers jogam e, muitas vezes, gostam de provocar sua criatividade com inspirações ‘aleatórias, mas propositadas’”, diz Mothersill, que buscou com sua pesquisa encontrar uma solução computacional simples para “imitar” o complexo processo criativo. Algo com o que a mesma pesquisadora já havia trabalhado antes em um projeto chamado EmotiveModeler, que cria objetos 3D a partir de termos e emoções, como medo e alegria.

    Assim, Mothersill desenvolveu um site que funciona como uma espécie de jogo de cartas (a pesquisadora fez um protótipo físico do site dessa forma), que devem ser retiradas de cincos baralhos. O primeiro é o baralho da coisa que será desenvolvida. Na página, fica fixo o termo Design (que pode ser traduzido como “desenvolva” ou “crie”) e o termo que aparece em frente é a “carta” escolhida ao acaso, que pode ser uma tecnologia, um livro, uma imagem, uma experiência, um aplicativo ou um site.

    O jogo segue com: Inspirado por (mobiliário, materiais naturais, curvas, medicina oriental, etc). Depois vem o que seja (colaborativo, sobreposto, familiar, acessível, etc) através de (formas, texturas, esboços conceituais, simulações de realidade virtual, etc) usando (código de programação, Excel, colagem, pintura, etc).

    Como resultado, podem sair coisas como “crie um aplicativo inspirado por medicina oriental que seja caótico, através de padrões, usando vídeo” ou "faça uma instalação inspirada em círculos que seja uma mudança de paradigma, através de botões usando papel e caneta".

    “Recombinar elementos existentes de design de maneiras inesperadas para descobrir novas variáveis é uma habilidade particular do ser humano e permitir que ferramentas computacionais ‘desencadeiem inferências imprevisíveis’ é uma área chave do desenvolvimento”, escreve Mothersill em sua pesquisa.

    As variáveis mudam conjuntamente clicando no logo, localizado no canto superior esquerdo da página, ou separadamente, apenas selecionando os termos fixados.

    É possível também personalizar a variável, tocando sobre a palavra e a substituindo por outra que seja mais adequada para cada um. No fim, o ícone no canto inferior direito permite salvar o conceito produzido.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa Equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project. Saiba mais.

    Mais recentes

    Você ainda tem 2 conteúdos grátis neste mês.

    Informação com clareza, equilíbrio e qualidade.
    Apoie o jornalismo independente. Junte-se ao Nexo!