Como o reconhecimento facial funciona. E por que seu uso preocupa

Tecnologia deve ganhar ainda mais popularidade com o lançamento de novo iPhone, que usa rosto para desbloquear aparelho

     

    A Apple lançou na terça-feira (12) novos modelos dos seus aparelhos, incluindo o celular, que ganhou agora uma versão mais nobre chamada iPhone X (lê-se “dez”, não “xis”). O dispositivo tem um visual bem diferente dos modelos anteriores. Agora não tem mais o botão “home” e conta com uma tela que cobre toda a sua superfície frontal. O aparelho chega ao mercado americano no dia 3 de novembro pelo preço de US$ 1.000. 

    Entre as novidades do novo iPhone está a tecnologia utilizada para seu desbloqueio. O que antes era feito por meio uma combinação numérica ou pela identificação da digital de um dos dedos do dono do aparelho (chamado de Touch ID pela empresa) agora usará a imagem do rosto do usuário. Não qualquer imagem, como uma fotografia 2D, mas sim o escaneamento real da face do dono do aparelho através de um sensor na parte frontal do celular.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.