Se transparência é regra, por que é preciso mandar divulgar salários de juízes?

À frente do órgão que controla o Judiciário, Cármen Lúcia determinou que tribunais revelassem a folha de pagamentos. Dos 90, 27 não responderam dentro do prazo

     

    Poucos dias depois de notícias registrarem que um juiz do Mato Grosso recebeu salário bruto de R$ 503 mil em julho, a presidente do Supremo, ministra Cármen Lúcia, obrigou tribunais do país a enviarem os dados sobre os pagamentos feitos entre janeiro e agosto de 2017. O prazo para o envio das informações terminou na quinta-feira (31).

    Os dados serão analisados pelo CNJ (Conselho Nacional de Justiça), órgão de controle externo do Judiciário, também presidido por Cármen. Dos 90 tribunais abrangidos pela portaria assinada pela presidente, 63 responderam dentro do prazo. Os demais ficarão sujeitos a “correições especiais”, um tipo de inspeção administrativa para identificar as razões do atraso.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.