Como a reforma política mexe com o dinheiro das campanhas

Além de criarem um fundo público de financiamento, propostas já aprovadas por comissão especial mudam regras de doação e permitem sigilo para certos tipos de contribuição

     

    Um dos itens mais controversos da reforma política em debate no Congresso é a criação do Fundo Especial de Financiamento da Democracia, mais conhecido como fundo público de campanha. Caso seja de fato aprovado, serão repassados algo em torno de R$ 3,6 bilhões para que os candidatos se apresentem ao público, por exemplo, na próxima eleição. 

    A polêmica se dá pelo fato de os parlamentares estarem aumentando os gastos públicos com disputas eleitorais num momento em que o país vive não só uma grave crise econômica, mas também uma crise de representatividade sem precedentes, em que os políticos estão acuados por denúncias de corrupção que atingem os mais variados partidos.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.