Ódio racial nos EUA: qual o limite da tolerância com discursos intolerantes

Marcha em Charlottesville provoca debate sobre como combater discursos de ódio sem violar a liberdade de expressão

     

    A marcha que reuniu pregadores do ódio racial de diversos matizes na cidade americana de Charlottesville, na sexta-feira (11) e no sábado (12), deixou atrás de si uma pessoa morta, mais de 30 feridas e um relevante debate a respeito dos limites da liberdade de expressão.

    O centro da questão é o seguinte: a sociedade deve impor limites a um indivíduo que manifesta seus pensamentos radicais, racistas e odiosos ou, pelo contrário, todo indivíduo deve ser livre para dizer o que pensa, por pior que seja o conteúdo desse pensamento?

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.