Se tiver dinheiro, compre tempo e não coisas, sugere estudo

Combater a 'fome de tempo' pode trazer a felicidade, aponta pesquisa de Harvard

     

    Cozinhar em casa, pegar um ônibus ou entregar um documento pessoalmente são estratégias para economizar dinheiro. Acontece que tomam tempo. E isso pode levar a uma vida menos satisfatória. É a conclusão de um novo estudo da universidade de Harvard, nos Estados Unidos, que diz valer a pena investir dinheiro no combate à sensação de que “não dá tempo de nada”. É uma forma de “proteger as pessoas dos efeitos prejudiciais da pressão do tempo na felicidade”.

    Pessoas de quatro países, de diferentes classes sociais, foram entrevistadas na pesquisa. Aqueles que gastavam dinheiro para “comprar” tempo para si, terceirizando tarefas que requerem pouca qualificação, “reportaram uma maior satisfação de vida no geral”, disse Ashley Whillans, professor assistente na faculdade de administração de Harvard, ao jornal americano The New York Times.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.