Por que as ruas estão em silêncio. E o que isso pode virar

Apesar de 81% defenderem que Michel Temer seja julgado, protestos e pressão popular praticamente inexistiram antes, durante e depois da votação da denúncia contra o presidente na Câmara

    No dia 17 de abril de 2016, um domingo, quando a presidente Dilma Rousseff enfrentou a votação sobre a cassação de seu mandato na Câmara dos Deputados, 250 mil pessoas protestaram contra ela, na avenida Paulista, e 42 mil a favor dela, no Vale do Anhangabaú, de acordo com o Datafolha. Os dois locais ficam em São Paulo.

    Nesta quarta-feira (2), quando a Câmara realizava a sessão que barrou o envio da denúncia para que o Supremo julgasse o presidente Michel Temer pelo crime de corrupção passiva, não havia ninguém se manifestando nesses dois pontos.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.