Qual a relação entre arquitetura, desigualdade e trabalho doméstico no Brasil

Alunos de arquitetura da UFMG se recusaram, no fim de julho, a projetar imóvel de alto padrão com cômodos para empregados

     

    Não é raro que plantas de moradias de classes média e alta nas cidades brasileiras contenham um ou mais cômodos destinados a ser ocupados por empregados domésticos.

    O costume foi posto em discussão por um grupo de alunos de arquitetura da Universidade Federal de Minas Gerais, que se recusaram a projetar um imóvel de alto padrão com quartos e banheiros para empregados. A atividade havia sido proposta pela disciplina Casa Grande, que faz parte do currículo de matérias optativas da graduação.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.