Ir direto ao conteúdo

A fotografia de comida não nasceu com o Instagram. Aqui está sua origem

Tirar fotos do prato é um hábito corriqueiro de usuários da rede social. Mas história desse tipo de imagem tem mais de 150 anos

    Temas
    Foto: Instagram /Reprodução
    Do instagram da revista francesa Le Fooding
     

    As fotos de comida são uma parte importante das imagens que circulam no Instagram. O apelo delas é universal. Elas se alinham à estetização da vida cotidiana promovida pelos usuários de redes sociais.

    “Quando eu digo ‘insta food’, você provavelmente sabe exatamente do que estou falando. Não só porque o Instagram é largamente usado e é uma rede visual, mas porque os clichês estéticos criados por ele são essenciais para nossa época. A comida se sai bem nas redes sociais porque tem um apelo fácil, gráfico, que atinge todos os públicos – todo mundo tem que comer, não é? Mas enquanto o Facebook se tornou um depósito de vídeos de receita em time-lapse, (...) o Instagram se aliou ao espetáculo”, diz uma reportagem do site americano Eater.

    Foto: Bruno Maron /Reprodução
     

    A representação fotográfica dos alimentos, porém, não foi inventada pelos usuários do Instagram. A história de como a comida foi e é fotografada começa no fim do século 19, bem próximo à origem da própria fotografia.

    Publicado em meados de junho de 2017, o livro “Feast for the Eyes: The Story of Food in Photography” (Banquete para os olhos: a história da fotografia de comida), da escritora e curadora de fotografia britânica Susan Bright, se propõe a contar essa história.

    A partir de um artigo do site Artsy, publicado em 17 de junho, que resume os momentos chave da evolução desse tipo de imagem a partir do livro de Bright, o Nexo organizou uma linha do tempo da fotografia de comida:

    O nascimento da fotografia de comida

    A fotografia foi apresentada ao público em geral em 1839, a partir da divulgação do daguerreótipo. Apenas seis anos depois, William Henry Fox Talbot, cientista inglês pioneiro da fotografia, fez uma das primeiras imagens cujo motivo central era a comida. Tratava-se de um registro de cestas de pêssegos e um abacaxi.

     

    Nessa fase, em que livros de receita raramente recorriam à fotografia e a publicidade era ainda incipiente, as fotos de comida eram fortemente influenciadas pela pintura. Muitas imagens exibiam frutas, que nas naturezas mortas carregavam um simbolismo específico. Os pêssegos, por exemplo, representavam a fertilidade.

    O divórcio entre fotografia de comida e pintura

    Na virada para o século 20, alguns fotógrafos, como o americano Paul Strand, já tentavam fotografar alimentos sem lançar mão das convenções da natureza morta. Nos anos 1930 e 40, duas novidades transformaram a maneira de representar a comida em fotos:
    Foto: Reprodução
    Capa do livro de receitas da marca americana Crisco, de 1949
    • a popularização da fotografia em cores na publicidade
    • panfletos promocionais e livros de receitas com vívidas imagens, feitos pelas marcas de produtos alimentícios

     

    Uma parte expressiva das fotos de alimentos passou a ser tirada para vender os alimentos em questão, e isso teve um grande impacto sobre o estilo das fotografias. Para parecerem lustrosos e com cores vivas e atraentes, alguns alimentos chegavam a receber uma camada de verniz ou spray para cabelo antes do registro.

    Comida com cara de comestível

    Nos anos 1990, segundo Bright, a fotografia comercial de comida passou a ser mais naturalista e documental, e a comida voltou a parecer comestível nas imagens.

    Ao mesmo tempo, a comida também estava sendo representada por artistas e fotógrafos de arte e a riqueza de imagens dos livros de receita tornou-os mais parecidos com livros de fotografia.

    Os blogs de comida e o Instagram

    Já no século 21, a massificação das fotos de comida por blogueiros e usuários do Instagram, lançado em 2010, fez com que muito mais gente se interessasse por comida e que as fotos de comida que se vê por aí ficassem cada vez melhores, segundo Bright.

    Foto: Instagram /Reprodução
    Queijo quente da conta 'danymsimon'
     

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

    Já é assinante?

    Entre aqui

    Continue sua leitura

    Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: