Um retrato da diversidade no cinema brasileiro das últimas cinco décadas

Os filmes nacionais de maior circulação nos últimos 50 anos mantêm intensa desigualdade de gênero e, principalmente, de raça

    A segunda edição do “Boletim Raça e Gênero no Cinema Brasileiro” foi divulgada na sexta (23) pelo Gemaa, o Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. O estudo investiga a presença de mulheres e pessoas negras em filmes brasileiros de grande público entre 1970 e 2016.

    Os filmes que alcançaram mais de 500.000 espectadores nesse período, excluindo documentários e filmes infanto-juvenis, foram selecionados pelos pesquisadores a partir de dados do Observatório Brasileiro do Cinema e do Audiovisual da Ancine, a Agência Nacional do Cinema. 

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.