Ir direto ao conteúdo

O que há na denúncia criminal contra Temer. E o que ficou para depois

Primeira acusação de Janot trata do pagamento de R$ 500 mil a ex-assessor do presidente. Outras suspeitas continuam em investigação e podem resultar em mais denúncias

     

    O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, acusa Michel Temer de ter cometido o crime de corrupção passiva no exercício da Presidência. O centro da denúncia, apresentada ao Supremo Tribunal Federal na segunda-feira (26), é a relação mantida entre Temer e o empresário Joesley Batista, um dos donos da JBS.

    Mas há outros crimes, que não constam da denúncia, atribuídos ao presidente da República a partir das delações premiadas dos proprietários e executivos da maior processadora de carnes do mundo e maior doadora eleitoral do Brasil. São eles obstrução de Justiça e organização criminosa. Essas suspeitas serão, possivelmente, alvo de uma nova denúncia de Janot.

    O que há na denúncia contra Temer

    Janot afirma que Temer recebeu, por intermédio de seu ex-assessor Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) propinas de R$ 500 mil de Joesley Batista, um dos donos da JBS. O valor era apenas a primeira parcela de uma série de pagamentos prometidas por Joesley em troca de favores à J&F, controladora do grupo JBS.

    Além dos depoimentos de delação premiada de Joesley e de outros seis delatores da JBS, a denúncia se baseia: em gravações de conversas feitas pelo empresário e pelo diretor da JBS, Ricardo Saud, com Temer e Loures, entre março e abril de 2017; em trocas de mensagens de celular entre Joesley e Loures; em grampos telefônicos; e nas imagens da entrega de uma mala com R$ 500 mil a Loures.

    As acusações de Janot

    Interesses da JBS

    Janot procura demonstrar na denúncia que Temer e Joesley mantinham relação de proximidade, e que Loures era o indicado do presidente para intermediar assuntos de interesse da JBS. Para isso, o procurador-geral destaca o encontro entre o presidente e Joesley tarde da noite, em 7 de março de 2017, no Palácio do Jaburu, residência oficial de Temer, fora da agenda oficial.

    Contrato como contrapartida

    O caminho do crime praticado por Temer, segundo Janot, está relacionado a um contrato de compra de gás natural, fechado por uma das empresas de Joesley com a Petrobras, em abril de 2017 — o contrato foi desfeito pela estatal quando a delação da JBS veio à tona. Segundo a acusação, Loures recebeu o aval de Temer para acionar o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) e assegurar que a negociação atendesse aos interesses do grupo de Joesley.

    Acerto da propina

    Em retribuição ao contrato, Joesley prometeu pagar 5% do valor do lucro do negócio, ao longo de nove anos. O acerto, de acordo com a denúncia, fica comprovado pelas conversas gravadas e pelos grampos telefônicos, nos quais Loures se apresenta como um emissário de Temer e trata de valores com Joesley e com o diretor da JBS.

    R$ 38 milhões

    era o valor a que poderiam chegar os pagamentos de Batista a Temer, segundo a denúncia de Janot

    Primeiro pagamento

    Janot anexou à denúncia as imagens do dia em que Loures recebe uma mala com R$ 500 mil, em espécie, em uma pizzaria em São Paulo, no fim de abril. O ex-assessor foi preso dias depois e entregou o dinheiro à Polícia Federal.

    Quem é acusado

    Temer e Rocha Loures são acusados pelos crimes de corrupção passiva, quando alguém pede ou recebe vantagem indevida. A pena prevista é de 2 a 12 anos de prisão e pagamento de multa.

    R$ 10 milhões

    é o valor da multa aplicada a Temer, solicitada por Janot

    Quem está fora da denúncia

    Joesley Batista e Ricardo Saud praticaram os crimes de corrupção ativa, mas, como parte do acordo de delação premiada, não serão denunciados nem punidos.

    A defesa do presidente diz que a acusação não está “calcada em fatos concretos” e nega que o peemedebista tenha praticado qualquer conduta que seja enquadrada como corrupção. Em outras ocasiões, Temer afirmou que Joesley relata esses fatos somente com objetivo de justificar o acordo de delação premiada e, assim, ficar livre de punições.

    Novas denúncias pela frente

    A delação da JBS é a base para uma série de investigações em curso na Polícia Federal que atingem não somente a Temer, mas também levantam suspeitas contra integrantes do PMDB e resultou na denúncia contra o senador afastado Aécio Neves (PSDB).

    No caso de Temer, além do episódio relacionado ao pagamento de R$ 500 mil, a Polícia Federal tem outras suspeitas que estão sob investigação e podem resultar em futuras denúncias.

    Silêncio de Cunha

    Ficou fora da primeira denúncia a suspeita de que Temer autorizava o pagamento de uma mesada ao ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) em troca do silêncio dele na Lava Jato. Com base nas gravações feitas por Joesley, a Polícia Federal diz estar claro a tentativa do presidente de atrapalhar as investigações. O relatório da polícia foi entregue ao Supremo nessa segunda-feira (26). Janot terá cinco dias para apresentar a denúncia contra Temer, neste caso pela prática de obstrução de Justiça. A defesa do presidente nega e diz que as provas não têm valor algum.

    Corrupção no Porto de Santos

    Janot pediu a abertura de uma terceira frente de investigação contra Temer por suspeitas de corrupção ativa, passiva e lavagem de dinheiro decorrentes da edição de um decreto presidencial, em maio de 2017, que mudou as regras para o setor de portos. A Procuradoria afirma ter indícios de que Temer autorizou a inclusão de normas que beneficiaram a empresa Rodrimar, que atua no porto de Santos, litoral paulista. Não fica claro até o momento o que Temer teria recebido em troca. A Rodrimar já foi investigada anos atrás por suspeitas de envolvimento em um esquema de pagamento de propina em Santos.

    Agora, a suspeita se baseia em conversas telefônicas grampeadas pela Polícia Federal no decorrer das investigações sobre a JBS, nas quais Rocha Loures trata do decreto com um assessor presidencial, com o próprio Temer e um representante da Rodrimar. A assessoria da Presidência afirmou que os termos do decreto foram debatidos publicamente e, portanto, não houve irregularidades.

    O que não será alvo de denúncias agora

    Os delatores mencionaram outros casos em que Temer intercedeu em favor da JBS, em 2014, quando ele era vice-presidente da República. Em um deles, o diretor Ricardo Saud disse ter pago R$ 15 milhões como propina relativa a contratos do grupo com o BNDES. Parte do dinheiro foi paga como doação oficial ao PMDB e R$ 1 milhão a Temer. Esse valor foi entregue, segundo Saud, na sede da Argeplan, empresa de um amigo do peemedebista, coronel João Batista Lima e Filho.

    Esses atos, no entanto, não podem ser investigados porque se referem a fatos ocorridos quando Temer não era presidente. Pela Constituição, o chefe do Executivo só pode responder por atos cometidos no exercício da Presidência. Apenas quando Temer deixar o cargo, o Ministério Público Federal poderá denunciá-lo. É o mesmo que ocorre com as citações a Temer em procedimentos da Lava Jato, como os inquéritos relativos às delações premiadas da empreiteira Odebrecht, por exemplo.

     

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa Equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project. Saiba mais.

    Mais recentes

    Você ainda tem 2 conteúdos grátis neste mês.

    Informação com clareza, equilíbrio e qualidade.
    Apoie o jornalismo independente. Junte-se ao Nexo!