Ir direto ao conteúdo

Qual a importância de ‘Úrsula’, obra do Romantismo de que pouca gente ouviu falar

Escritora Maria Firmina dos Reis foi a primeira a retratar, na literatura brasileira, a escravidão do ponto de vista dos escravos

    Foto: Ilustração de Gabriela Pires /Livro 'Heroínas Negras Brasileiras'
    Negra e abolicionista, Maria Firmina dos Reis foi a primeira romancista do Brasil
     

    Difícil de ser encontrado em livrarias, sebos e bibliotecas, o romance “Úrsula”, de 1859, escrito por Maria Firmina dos Reis, está disponível para download no acervo da bilbioteca pública maranhense Benedito Leite.

    A existência do arquivo em domínio público no acervo da biblioteca foi divulgada no dia 13 de junho por uma postagem da publicação especializada “Suplemento Pernambuco”.

    O “Suplemento” ressalta que o livro é um dos primeiros de autoria feminina no país, o primeiro de autoria negra e, também, o primeiro escrito ficcional de cunho abolicionista.

    Contemporânea do escritor José de Alencar, autor dos romances indianistas “Iracema” e “O Guarani”, Maria Firmina dos Reis não faz parte do currículo escolar de literatura brasileira.

    “Os compêndios não citam Maria Firmina dos Reis como a primeira romancista brasileira. Essa autoria [de mulheres negras] vem acontecendo, mas mulheres que não recebem um tratamento de destaque na história da literatura brasileira. Primeiro porque essa história é marcada pela autoria de homens brancos de classe média. As mulheres começam a aparecer no Modernismo, e a mulher negra muito mais tardiamente”, disse a escritora e professora Conceição Evaristo ao Nexo em maio de 2017.

    Úrsula é pioneiro, na literatura brasileira, também por tratar da escravidão a partir do ponto de vista dos escravos. O enredo, como é característico da escola literária romântica, apresenta uma trágica história de amor entre dois jovens. Mas a ela se mesclam a história não contada da viagem forçada dos africanos ao Brasil e os abusos e injustiças sofridos pelos escravos.

    “Mesquinho e humilde livro é este que vos apresento, leitor. Sei que passará entre o indiferentismo glacial de uns e o riso mofador de outros, e ainda assim o dou a lume. (...) Sei que pouco vale este romance, porque escrito por uma mulher, e mulher brasileira, de educação acanhada e sem o tracto e a conversação dos homens ilustrados, que aconselham, que discutem e que corrigem (...)”

    Trecho que inicia ‘Úrsula’

    Maria Firmina dos Reis 

    Quem foi a escritora

    Maria Firmina dos Reis nasceu em São Luís, no Maranhão, em 1825. Em 1847, aos 22 anos, foi aprovada na Cadeira de Instrução Primária e se tornou a primeira professora concursada de seu Estado, segundo informações da Fundação Cultural Palmares. 

    Além de “Úrsula”, publicou também “A Escrava”, em 1887, no auge da campanha abolicionista. Aposentada, fundou uma escola mista gratuita em 1880. Morreu em 1917, aos 92 anos.

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa Equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project. Saiba mais.

    Mais recentes

    Você ainda tem 2 conteúdos grátis neste mês.

    Informação com clareza, equilíbrio e qualidade.
    Apoie o jornalismo independente. Junte-se ao Nexo!