Como apps de encontro podem violar a privacidade dos usuários

Levantamento ‘Suruba de dados’ e estudo do projeto Privacidade Brasil destrincham como serviços lidam com os dados de quem os utiliza

    As combinações amorosas mediadas pela tecnologia são bem mais antigas do que podemos supor: o primeiro “computer dating service” de que se tem notícia foi criado em 1959, segundo uma linha do tempo criada pela emissora pública americana “PBS”.

    Conhecer pessoas por esses serviços, no entanto, nunca foi um hábito tão massificado quanto hoje. Os sites e aplicativos de encontro se popularizaram e multiplicaram na última década, se especializando também em nichos específicos voltados para determinadas faixas etárias (como o “Coroa Metade”, para mulheres a partir de 40 anos e homens a partir de 45), religião (há o “Divino Amor”, para o público cristão) ou orientação sexual (como Her e Grindr).

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.