O que diz o novo Estatuto do Pedestre de São Paulo. E qual a importância dele para a cidade

Texto, que ainda precisa da sanção do prefeito, deverá fazer com que o pedestre seja mais priorizado nas políticas de mobilidade

    O Estatuto do Pedestre foi aprovado pela Câmara dos Vereadores de São Paulo no dia 7 de junho. Para entrar em vigor, o texto — espécie de cartilha de medidas para incentivar o deslocamento a pé na cidade — precisa ainda da sanção do prefeito João Doria.

    O texto contou, em sua elaboração, com diversas organizações que defendem a mobilidade a pé, como o Cidadeapé, o SampaPé e a Comissão Técnica de Mobilidade a Pé. O projeto original, do vereador José Police Neto (PSD), se dedicava a estabelecer “direitos e deveres” dos pedestres.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.