Ir direto ao conteúdo

Um mapa com o fluxo de refugiados durante 16 anos

Ferramenta de universidade americana ajuda a visualizar o deslocamento de pessoas com a eclosão de crises humanitárias

    Segundo os dados de 2016 divulgados pela ONU, há 22,5 milhões de refugiados no mundo. Esse fluxo de pessoas em busca de proteção gera grandes mudanças demográficas e desafios políticos profundos aos países anfitriões e ao mundo em geral.

    Refugiado é um tipo particular de migrante. O termo se aplica a todo aquele que foge de seu país de origem alegando “fundados temores de perseguição por motivos de raça, religião, nacionalidade, grupo social ou opiniões políticas”, em situações nas quais “não possa ou não queira regressar”. No Brasil, o refúgio também pode ser aplicado em casos de “graves e generalizadas violações de direitos humanos”.

    Uma nova ferramenta criada pelo Instituto Igarapé em parceria com o Create Lab (Laboratório de Comunidade, Robótica, Educação e Empoderamento Tecnológico), da Universidade Carnegie Mellon, nos Estados Unidos, permite visualizar de quais países os refugiados estão saindo e para quais estão indo. O Instituto Igarapé tem sede no Rio de Janeiro e lida com questões de justiça, segurança e desenvolvimento na África e na América Latina.

    Lançado em maio de 2017, o mapa se baseia em informações dos anos de 2000 a 2015 compiladas pelo Acnur (Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados). Cada grupo de 17 refugiados é representado com um ponto que se move com o passar do tempo.

    Clicando em imagens no canto inferior é possível ver recortes do fluxo vindo de áreas marcadas por crises humanitárias recentes, como Síria, Darfur (região do Sudão), Libéria, Colômbia e Somália. A ferramenta também permite escolher um ano específico e pausar o deslocamento para análise.

    O GIF abaixo foca no fluxo de refugiados da Síria entre 2012 e 2014.

    É possível visualizar como, apesar de a acolhida de refugiados ser uma questão política em destaque na Europa, acompanhada com particular atenção pelo noticiário internacional, essa não é a região que recebe o maior número de migrantes nessas condições. As pessoas em busca de refúgio frequentemente migram para países próximos.

    Segundo levantamento de 2015 do Acnur, a Europa abriga 6% dos refugiados, e as Américas, 12%. Oriente Médio e Norte da África abrigam, por outro lado, 39%. Paquistão, Turquia e Líbano concentram, sozinhos, um quarto dos refugiados acolhidos no mundo, ou 5,2 milhões de pessoas.

     

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

    Já é assinante?

    Entre aqui

    Continue sua leitura

    Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: