Motorista de Uber é funcionário? O que a Justiça brasileira tem decidido

Empresa cresce com discurso de que apenas conecta carros e passageiros. Na Justiça, quem presta o serviço pede reconhecimento de vínculo empregatício

 

O aplicativo Uber chegou ao Brasil em 2014 e já conta com 50 mil motoristas em mais de 50 cidades, onde exerce um forte impacto sobre o mercado de transporte.

A empresa é capaz de crescer rápido porque tem custos baixos no processo. Os motoristas não são contratados diretamente. Assinam um acordo de prestadores de serviço autônomos. O Uber se coloca apenas como uma “ponte” entre o motorista e quem precisa se locomover.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.