O que há de científico sobre a dieta dos jejuns intermitentes

Prática de ficar sem comer por um determinado tempo pode ter impactos positivos para a saúde. Ainda faltam mais pesquisas conclusivas

     

    Fazer jejum é coisa tão antiga quanto as civilizações humanas. Ficar sem comer é prática comum às três grandes religiões monoteístas, como forma de purificação e autodisciplina. Agora, no entanto, jejuar virou moda — e questão de saúde.

    Você talvez já tenha ouvido falar na dieta do jejum intermitente. Ela é adotada e divulgada por celebridades — no mundo e no Brasil. Famosos como a cantora Beyoncé ou a atriz Deborah Secco dão depoimentos às revistas de beleza falando sobre como ficaram 20 horas sem comer. Suplementos de jornais e revistas especializados em saúde preenchem páginas e páginas detalhando os benefícios do jejum. Uma googlada rápida permite ver que o interesse pela fórmula mágica para emagrecer muito em pouco tempo só cresce.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.