Como é a rede de cabos submarinos que sustenta as comunicações do mundo

Brasil está construindo oito novos cabos no fundo dos oceanos. No planeta eles já são mais de 300 e remontam ao século 19

A tecnologia que nos permite mandar uma mensagem de celular para um parente no Japão, fazer uma reunião via Skype com alguém na Hungria ou falar ao telefone com uma pessoa em Madagascar não se deve majoritariamente a satélites ou à abstração da “nuvem”. Se hoje fotos, emojis e memes viajam quase que instantaneamente pelo planeta, isso se deve a algo bem mais palpável: cabos submarinos — com diâmetro que toma a palma da mão.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.