Ir direto ao conteúdo

Este blog reúne mais de 150 livros de fotografia sobre a África

Site ‘Africa in the Photobook’ mostra mudanças na forma como o continente é retratado ao longo de quase um século

    Com que olhos a fotografia viu, ao longo do século 20 (de descolonização), e vê, no século 21 (pós-colonial), o continente africano? Qual o significado simbólico e político desses registros? Seus autores são nativos ou estrangeiros? O que eles mostram, e o que deixam de mostrar?

    Uma pesquisa cautelosa no blog “Africa in the Photobook” pode ajudar a responder algumas dessas questões. O site é mantido por Ben Krewinkel, fotógrafo, historiador especializado no sul da África e colecionador de fotolivros de temática africana e/ou feitos por fotógrafos do continente. Ele conta com uma página no Facebook, onde novas postagens no blog são comunicadas diariamente.

    Até o momento há 169 livros listados no blog, publicados entre 1918 e 2016. Clicando em um dos títulos, é possível ter acesso a uma ficha técnica, à capa e a algumas imagens do miolo do livro.

    Além de acessar os fotolivros pelo índice de títulos, ordenado por ano de publicação, também é possível ver os livros disponíveis por país, clicando em cada país na seção do blog que contém um mapa do continente. 

    Qual o critério do blogueiro

    Os livros disponibilizados passam por uma seleção subjetiva de Krewinkel. A curadoria não inclui muitos títulos sobre vida selvagem, por exemplo. “Eu posto livros cujo conteúdo não concordo, porque podem ser muito, muito interessantes e com frequência são lindos. É o caso de muitos dos livros de propaganda [estatal]”, disse o editor ao blog Fotota, especializado na pesquisa da fotografia africana.

    O site funciona hoje como base de dados, mas Krewinkel pretende transformá-lo também em uma plataforma de discussão, com entrevistas e ensaios sobre o assunto.

    “O livro tem que ser interessante no contexto da história africana, nos dizer algo sobre a representação visual da África ou nos contar algo sobre a fotografia como forma de arte (o que frequentemente está conectado com a história política)”

    Ben Krewinkel

    No blog Fotota

    O foco principal, disse o editor ao blog Punto de Fuga, são livros produzidos entre 1958 e 1990 nos países africanos que lutavam pela independência ou já no contexto de comemoração da independência recente.

    Mas há também publicações contemporâneas interessantes, destacadas por ele, como “John Kikaya, Tanzania photographer and People of Lake Tanganyika” (2013), do fotógrafo tanzaniano John Kikaya.

    Foto: Reprodução/Africa in the Photobook
    Imagem do miolo do livro de John Kiyaya
    Imagem do miolo do livro de John Kiyaya

    “Os melhores livros são aqueles produzidos na África lusófona, notavelmente em Moçambique, um país com tradição fotográfica extremamente rica”, disse Krewinkel ao Punto de Fuga.

    Foto: Reprodução /Africa in the Photobook
    Imagem de ‘Mulheres Lutadoras’, da fotógrafa Margit Coppe, sobre mulheres comerciantes de Angola. Publicado em Amsterdã, em 2001
    Imagem de ‘Mulheres Lutadoras’, da fotógrafa Margit Coppe, sobre mulheres comerciantes de Angola. Publicado em Amsterdã, em 2001
    Foto: Reprodução /Africa in the Photobook
    Fotografia do livro ‘Growing in Darkness’, do moçambicano Mário Macilau
    Fotografia do livro ‘Growing in Darkness’, do moçambicano Mário Macilau

    Muitos dos fotolivros mais antigos presentes no blog são livros de propaganda estatal de países do continente. O livro “La République Centrafricaine et son Président, le Général Jean-Bedel Bokassa” (A República Centro-Africana e seu Presidente, o General Jean-Bedel Bokassa), de 1966, é um deles.

    Foto: Reprodução/Africa in the Photobook
    Fotos do general cumprimentando atletas no livro ‘La République Centrafricaine et son Président’, de autoria desconhecida
    Fotos do general cumprimentando atletas no livro ‘La République Centrafricaine et son Président’, de autoria desconhecida

    A narrativa e a imagem construídas nesses fotolivros é, assim como outras formas de propaganda estatal audiovisual, usada para justificar ações governamentais e humanizar seus líderes.

    Foto: Reprodução/Africa in the Photobook
    Fotos do francês Pierre Verger no interior do livro ‘Congo Belge’
    Fotos do francês Pierre Verger no interior do livro ‘Congo Belge’

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa Equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project. Saiba mais.

    Mais recentes

    Você ainda tem 2 conteúdos grátis neste mês.

    Informação com clareza, equilíbrio e qualidade.
    Apoie o jornalismo independente. Junte-se ao Nexo!