Os critérios do Facebook para censurar conteúdo, segundo documentos da empresa

Além de mecanismos automáticos, rede social tem milhares de moderadores distribuídos pelo mundo. As diretrizes para seu trabalho acabam de se tornar públicas

 

Em abril de 2017, o americano Steve Stephens publicou um vídeo ao vivo no Facebook no qual descia de seu carro e matava um pedestre. A gravação ficou horas no ar antes de ser removida. No final do mesmo mês, um homem transmitiu ao vivo o assassinato de sua filha e seu posterior suicídio na Tailândia.

As gravações atravessaram tanto mecanismos automáticos que buscam barrar conteúdo inapropriado quanto uma equipe de milhares de pessoas responsáveis por fazer esse serviço de forma manual na rede social.

PARA CONTINUAR LENDO,
TORNE-SE UM ASSINANTE

Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
SEM DIFICULDADES

Já é assinante, entre aqui

Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.