Quem é Rodrigo Rocha Loures, o homem da mala dada pela JBS

Deputado afastado após ser gravado com mala de propina foi herdeiro de empresário paranaense e homem de confiança no gabinete de Temer

    Rodrigo Santos da Rocha Loures. O nome não era de conhecimento da maioria dos brasileiros até ser citado em delação pelo dono da JBS, Joesley Batista, e aparecer em imagens recebendo uma mala de dinheiro com R$ 500 mil de um executivo do frigorífico. Além disso, ele teve conversas suas com o presidente interceptadas pela Polícia Federal.

    Deputado federal e homem próximo do presidente, Loures foi indicado por Temer, segundo Batista, para lidar com uma demanda da JBS no Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica).

    “Quando era com o Geddel [Vieira Lima] e o Michel era bastante consolidada a ideia de que todo mundo sabia do que estava acontecendo. Rodrigo eu conheci em uma ou duas conversas. Eu tive com ele umas três vezes. E 100% do meu negócio era com o presidente Michel”
    “Ele [Rodrigo] entendeu perfeitamente. Depois ligou para a secretária dele, pediu para conectar com alguém do Cade que eu não conhecia e falou com um tal de Gilvandro que seria importante olhar para a questão com carinho e ficou claro que a questão ia andar.”

    Joesley Batista

    Trechos de delação que comenta conversas com Rocha Loures

    Na quarta-feira (17), dia da divulgação da delação pelo jornal “O Globo”, Loures, que também é empresário, estava em Nova York, nos Estados Unidos, para evento que homenageou o prefeito de São Paulo, João Doria. No dia seguinte, Loures voltou ao Brasil, foi xingado no aeroporto de Guarulhos e entrou em um táxi sem falar com a imprensa. À noite, a Câmara acatou decisão do Supremo Tribunal Federal e afastou o deputado de seu mandato.

    Afinal, quem é Rocha Loures e como ele se tornou tão influente e próximo do presidente da República e de outros políticos graúdos no país?

    Herança, PMDB e gabinetes

    Rodrigo Santos da Rocha Loures nasceu em Curitiba em 13 de novembro de 1966. É filho de Rodrigo Costa da Rocha Loures, antigo professor na UFPR (Universidade Federal do Paraná) e fundador, em 1968, da empresa Nutrimental, mais conhecida hoje pelas barras de cereais Nutry. Atualmente, Rodrigo Costa, o pai, preside o conselho de inovação da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo).

    Rodrigo Santos, o filho, mudou-se com a família cedo para São Paulo. Entre 1973 e 1983, fez o ensino primário e secundário no tradicional Colégio Dante Alighieri, localizado em bairro nobre da cidade. Em 1984, passou a cursar Administração na FGV (Fundação Getúlio Vargas), onde se tornou presidente do diretório acadêmico por um ano.

    Com o diploma na mão, assumiu a empresa do pai em São José dos Pinhais, no Paraná, encabeçando o projeto que resultaria na criação da marca Nutry, anos depois. Loures permaneceu na direção da empresa até 2002.

    Após ser presidente de diretório acadêmico, seu primeiro cargo político é como chefe de gabinete do governador Roberto Requião no Paraná

    Sua primeira atuação na política durou um ano. Em janeiro de 2003, ele se tornou chefe de gabinete do governador do Estado do Paraná, durante mandato de Roberto Requião (PMDB). Em 2005, filiou-se ao PMDB, partido pelo qual cumpriria as funções de tesoureiro estadual e, tempos depois, nacionalmente.

    Em 2006, ele assumiu a direção do IPD, então chamado Instituto Paraná de Desenvolvimento. No mesmo ano, a organização sem fins lucrativos, “fundada por empresários paranaenses” em 1996, mudou o nome para Instituto de Promoção do Desenvolvimento “para assumir uma abrangência global”.

    Loures ficou menos de um ano na posição. Candidatou-se a deputado federal e assumiu o cargo em Brasília no início de 2007, onde ficou até o fim de 2010. Foi membro de frentes ambientalista e de educação, além de comissões de energias renováveis, finanças e tributação, e habitação.

    O chamado de Temer

    Em 2010, candidatou-se ao governo do Paraná como vice na chapa de Osmar Dias (PDT), mas não venceu. Foi quando o então vice-presidente da República, Michel Temer, convidou o empresário para ser chefe de seu gabinete, em 2011.

    Em julho de 2014, Michel Temer gravou um vídeo para a campanha de Rocha Loures à Câmara dos Deputados, dizendo que ele o "ajudou enormemente" e qualificando-o como "belíssima figura da vida pública brasileira". ���Aliás, ele, aqui [no gabinete da vice-presidência], operava não só auxiliando a mim no Brasil todo, mas basicamente como uma espécie de embaixador do Paraná”.

     

    Loures ficou na suplência da Câmara. Em janeiro de 2015, passou a ser chefe de assessoria parlamentar do vice. Em abril do mesmo ano, tornou-se chefe de gabinete da Secretaria de Relações Institucionais do governo. No ano seguinte, após Temer assumir a presidência no lugar da presidente impedida Dilma Rousseff, voltou a trabalhar no seu gabinete, desta vez como “assessor especial”.

    Em março de 2017, Rocha Loures conseguiu a vaga na Câmara dos Deputados, assumindo a cadeira deixada por Osmar Serraglio (PMDB-PR), recém promovido por Temer para o cargo de Ministro da Justiça.

    Homem da mala

    Segundo Joesley Batista, Rocha Loures foi a pessoa indicada pelo presidente para atender a suas demandas no Cade, órgão do Ministério da Justiça, relativas a negócios de uma termelétrica de Cuiabá de propriedade do grupo da JBS.

    O grupo empresarial ansiava por resolver uma disputa comercial. O dono da JBS afirmou que Rocha Loures aceitou a tarefa mediante propina de 5% do lucro da termelétrica, estimado em R$ 7 bilhões. O homem de confiança de Temer receberia, assim, cerca de R$ 350 milhões, em parcelas a serem pagas por 20 anos. Foi na entrega da primeira parcela que o deputado foi flagrado pela Polícia Federal com a mala.

    Rocha Loures divulgou uma nota sobre as suspeitas que pesam contra ele. “Apesar da divulgação parcial de alguns trechos da investigação, ainda não foi disponibilizado para a defesa o acesso aos procedimentos que tramitam no STF. Tão logo se conheça o teor da investigação, todos os esclarecimentos devidos serão apresentados pelo Deputado Rodrigo Rocha Loures. Registramos que o deputado está a disposição das autoridades para prestar todos os esclarecimentos devidos.”

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.

    Já é assinante?

    Entre aqui

    Continue sua leitura

    Para acessar este conteúdo, inscreva-se abaixo no Boletim Coronavírus, uma newsletter diária do Nexo: