Delações da JBS atingem Temer diretamente. O que pode acontecer agora

Segundo jornal ‘O Globo’, presidente deu aval para comprar silêncio de Eduardo Cunha. Aécio é gravado por empresário e petistas também são envolvidos

    O jornal “O Globo” revelou no início da noite desta quarta-feira (17) trechos das delações premiadas dos donos da JBS, Joesley Batista e Wesley Batista, que atingem diretamente o presidente da República, Michel Temer, e incluem gravações em áudio e vídeo. Nelas constam pedidos e pagamentos de propina e a tentativa de manter calado o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, antigo aliado de Temer.

    O presidente já aparecia em delações premiadas da Operação Lava Jato, sob suspeita de pedir dinheiro ilegal para campanhas eleitorais do PMDB, mas não virou alvo de investigação pelo fato de os relatos se referirem a períodos anteriores à sua chegada ao Palácio do Planalto. Agora, as ilegalidades atribuídas ao peemedebista datam de março de 2017, com Temer há quase um ano no comando do país. Isso significa que ele pode ser investigado pelo Supremo Tribunal Federal, segundo o professor de direito Roberto Dias, ouvido pelo Nexo.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.