Ir direto ao conteúdo

Como funciona o buscador que não usa dados pessoais nas pesquisas

Concorrente do Google se vende como ‘a ferramenta de buscas que não te rastreia’. Mas é criticado por qualidade do serviço

    Foto: Pimkie/Flickr/Creative Commons
    Apesar de garantir a privacidade de usuários, o buscador tem recebido críticas quanto à qualidade das buscas

    Conforme um usuário faz buscas no Google, a gigante de internet coleta informações sobre seu perfil e seus interesses. Esses dados são utilizados para destacar anúncios na plataforma de pesquisas, e também para inserir publicidade em sites parceiros. Quando comparado com outros veículos, como jornais ou outdoors, a vantagem do Google é que a empresa tem mais informações para direcionar a publicidade ao público-alvo dos anunciantes.

    Esse continua a ser um negócio-chave para a Alphabet, a empresa que controla o Google. No quarto quadrimestre de 2016, ela faturou US$ 22,4 bilhões com anúncios. Outros negócios, como computação em nuvem, hardware e carros autônomos, faturaram US$ 3,4 bilhões.

    O fato de que o Google e concorrentes como Yahoo ou Bing usarem dados de pesquisas pessoais para vender anúncios gera, no entanto, incômodo. “Eles querem saber tudo sobre você para que possam empurrar propaganda para você”, afirmou em 2016 ao site Business Insider Bernard Harcout, professor de direito da Universidade de Columbia e autor do livro “Exposed”, que fala sobre como a tecnologia digital afeta a privacidade.

    Há, no entanto, outras ferramentas de busca em que a captação de dados pessoais é menor. Criada em 2008 nos Estados Unidos, a ferramenta de pesquisa DuckDuckGo promete fazer o trabalho do Google sem rastrear os usuário. O interesse ao buscador tem aumentado: em janeiro de 2017, a companhia afirmou ter atingido a marca de 10 bilhões de buscas, sendo que, destas, 4 bilhões ocorreram apenas em 2016.

    O site usa informações de pesquisa para fazer anúncios, mas de uma maneira muito mais superficial do que suas concorrentes. Por isso, a companhia se descreve como “a ferramenta de busca que não te rastreia”.

    O que há de diferente na coleta de dados

    Ferramentas como o Google armazenam dados acumulados de pesquisa e montam um perfil do usuário. Já o DuckDuckGo mostra anúncios a partir apenas dos termos-chave utilizados naquela busca específica.

    Por exemplo, se alguém busca “tênis”, a empresa mostrará anúncios de tênis. Os dados não são cruzados com informações de outras buscas, que poderiam indicar, por exemplo, onde o usuário mora, que tipo de esporte faz ou se é do gênero masculino ou feminino.

    Os sites que são acessados a partir das buscas com o DuckDuckGo não recebem informações sobre as palavras-chave usadas, como acontece com o Google, nem sobre buscas anteriores ou outros dados pessoais.

    Crítica à qualidade das buscas

    Apesar de convencer usuários preocupados com sua própria privacidade, o DuckDuckGo também é alvo de críticas devido à qualidade de suas buscas.

    Em um post no fórum Quora, um usuário que se identifica como engenheiro de dados afirma, por exemplo, que o buscador teve problemas em mostrar links para legendas de um episódio que ele desejava ver da série “Castle”.

    Ele avalia que “o Google foi certeiro e, por algum motivo, o DuckDuckGo mostrou resultados para a temporada 7 quando eu claramente queria a temporada 8”. Em sua avaliação, a privacidade não compensa a mudança de buscador. “No geral, as pessoas não se importam com a sua privacidade tanto assim”, disse.

     

     

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa Equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project. Saiba mais.

    Mais recentes

    Você ainda tem 2 conteúdos grátis neste mês.

    Informação com clareza, equilíbrio e qualidade.
    Apoie o jornalismo independente. Junte-se ao Nexo!