Como o barulho causado por humanos ameaça animais e plantas

Pesquisa de universidade americana mostra que excesso de ruído em áreas protegidas afeta o comportamento de animais e o ciclo de vida de plantas

    Uma pesquisa feita por uma universidade americana apontou que a maioria das áreas verdes protegidas nos Estados Unidos estão sob efeito do dobro de barulho que deveriam. A amostra evidencia que o excesso de ruído causado pelo homem – por meio de aviões e carros, por exemplo – não tem nada de inofensivo. O transtorno, diz o estudo, ameaça a vida de animais e plantas nessas regiões.

    O trabalho – publicado nesta quinta-feira (4) na revista especializada “Nature” – é encabeçado pela ecologista acústica Rachel Buxton, da Universidade do Estado do Colorado. Ela e sua equipe partiram de dados coletados por um órgão público sobre o nível do ruído em 492 áreas protegidas no país, como parques.

     

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.