Ir direto ao conteúdo

Este aplicativo mede quão ‘obscuro’ é o seu gosto musical

‘Obscurify’ se conecta à conta do usuário em plataforma de streaming e analisa dados do histórico de reprodução

     

    Conhecer artistas que ninguém conhece ou gravações obscuras de uma banda está entre as maiores alegrias dos “nerds da música”, que podem se colocar à prova agora. Isso porque um novo aplicativo permite medir, conectando-se à conta do usuário na plataforma de streaming Spotify, quão único é seu gosto musical.

    A ferramenta em questão, chamada de “Obscurify”, acessa o histórico de execuções de quem o utiliza e extrai dados sobre gêneros, artistas e faixas mais ouvidos.

    A partir dos dados, o “Obscurify” gera uma lista dos gêneros mais ouvidos e posiciona o usuário em um “ranking de obscuridade”: quanto mais baixa for a pontuação, mais obscura e única é a biblioteca do indivíduo.

    Algumas imprecisões do Spotify, como artistas categorizados em gêneros que não são os seus e omissões na lista de artistas mais ouvidos podem fazer com que alguns dos diagnósticos do aplicativo sejam menos exatos.

    O “Obscurify” também produz gráficos que mostram o quanto o que se ouve é dançante, feliz, acústico ou “energético”. E permite ao usuário gerar automaticamente playlists com as faixas e artistas mais ouvidos desde sempre ou nas últimas seis semanas.

    Como a pontuação de obscuridade é calculada

    Segundo o criador do app, Alex Olivero, a pontuação de obscuridade se baseia na popularidade dos artistas favoritos da pessoa no Spotify. Se vários dos artistas que constam nela tem popularidade equivalente aos rappers Drake e Kanye West, que estão entre os mais tocados no Spotify, a pontuação será maior.

    Por enquanto, o “ranking de obscuridade” é anônimo. É possível saber sua posição em relação a outros, mas não em relação a pessoas específicas. No futuro, Olivero pretende habilitar a possibilidade de que se possa comparar o grau de obscuridade ao dos amigos do Facebook, por exemplo.

    O que os dados das plataformas têm permitido fazer

    Em 2014, um outro projeto nasceu a partir de dados de reprodução da plataforma Spotify. O “Forgotify” usa a informação divulgada pelo serviço de que parte do catálogo nunca foi ouvida (tratando-se de músicas com zero reproduções ou outras que nunca foram ouvidas até o fim) para dar espaço a essas “obras negligenciadas”.

    Ele funciona como uma rádio ou player alternativo que reúne a parcela desconhecida do catálogo de milhões de faixas do Spotify.

     

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa Equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project. Saiba mais.

    Mais recentes

    Você ainda tem 2 conteúdos grátis neste mês.

    Informação com clareza, equilíbrio e qualidade.
    Apoie o jornalismo independente. Junte-se ao Nexo!