Os crimes transmitidos pelo Facebook e a responsabilidade da rede sobre seu conteúdo

Transmissões ao vivo de crimes levantam o debate sobre como a empresa de Mark Zuckerberg regula o que é publicado na plataforma

    Um homem narrou um assassinato recém-cometido por ele mesmo em um vídeo transmitido ao vivo pelo Facebook no domingo (18). As imagens repulsivas foram as mais recentes a burlar os rigorosos critérios de publicação da rede social, que veta conteúdo considerado inapropriado - de violência a nudez - em seu frenético feed de notícias.

    A vigilância de Mark Zuckerberg, no entanto, possui um calcanhar de Aquiles: as transmissões ao vivo. Por elas, material a princípio proibido, como cenas de sexo explícito, pornografia infantil, suicídios e crimes violentos, têm aparecido nas páginas de milhares de usuários da rede.

    PARA CONTINUAR LENDO,
    TORNE-SE UM ASSINANTE

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.