Como estes dois estudiosos, de visões diferentes, explicam os rumos da guerra na Síria

Salem Nasser e Cecilia Baeza falam ao ‘Nexo’ sobre o ataque químico atribuído a Assad, a desinformação na imprensa e o bombardeio ordenado por Trump

     

    Um dos muitos efeitos nocivos dos seis anos de guerra na Síria é a dificuldade de saber com precisão o que realmente acontece no país.  Prova disso foi a morte de mais de 70 civis por inalação de uma substância química identificada como gás sarin, logo após um ataque aéreo realizado por forças do governo, na cidade de Khan Sheikhun, localizada na Província de Idlib, no noroeste da Síria, no dia 4 de abril.

    O evento é importante, pois foi mencionado pelo presidente dos EUA, Donald Trump, dois dias depois, ao ordenar o primeiro bombardeio americano contra forças do presidente sírio, Bashar al-Assad, na base de Al Shayrat, de onde, segundo a Casa Branca, havia partido o ataque químico.

    ASSINE O NEXO PARA
    CONTINUAR LENDO

    Tenha acesso ilimitado e apoie o jornalismo independente de qualidade

    VOCÊ PODE CANCELAR QUANDO QUISER
    SEM DIFICULDADES

    Já é assinante, entre aqui

    Todos os conteúdos publicados no Nexo têm assinatura de seus autores. Para saber mais sobre eles e o processo de edição dos conteúdos do jornal, consulte as páginas Nossa equipe e Padrões editoriais. Percebeu um erro no conteúdo? Entre em contato. O Nexo faz parte do Trust Project.